Cesta Cultural

 O projeto da Cesta Cultural, pioneiro no curso de Jornalismo, visa a fruição de obras culturais – filmes, peças teatrais e livros de jornalismo e literatura – por parte de metade das turmas do curso, que realizam bimestralmente uma prova cuja nota é acrescida em todas as disciplinas. O projeto conta com o apoio dos docentes do curso (na elaboração de questões, indicação de produtos e reflexão das obras em sala de aula), e tem visíveis resultados no corpo discente, pelo acréscimo em suas leituras, aumento em seu conhecimento cultural sobre fenômenos nacionais e mundiais e aprimoramento no domínio da língua portuguesa. Desde 2016, passou a ser um projeto interdisciplinar dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda.

Confira a lista de produtos da Cesta Cultural para o segundo bimestre de 2019-1.

Datas e aulas das provas:

  • 1PPAN – dia 03 de junho na aula da profa. Maura Martins
  • 3JOAN – dia 04 de junho, na aula da profa. Vanessa Mezzadri
  • 3PPAN – dia 03 de junho, na aula do prof. Luiz Lopes
  • 5JOAD – dia 04 de junho, na aula do prof. Gabriel Bozza
  • 5PPAN – dia 03 de junho, na aula do prof. Gabriel Bozza

PRODUTOS DA CESTA CULTURAL

INDICADOS AOS PERÍODOS DE JORNALISMO E PUBLICIDADE E PROPAGANDA

1. Filme indicado:


307385.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxxJuventude transviada

De Nicholas Ray (1955).

Em Los Angeles, em 1955, Jim Stark é um jovem problemático e acaba preso por causar danos à propriedade. O adolescente então encontra alguns filhos angustiados de pais irresponsáveis, como os dele. Com eles, ele vive alianças, conflitos e disputas por questões territoriais e amorosas, culminando em uma tragédia.

O filme será exibido no projeto Cineclube UniBrasil, em data e local a ser divulgado.

 

2. Livro de literatura indicado:

Estação Carandiru, de Drauzio Varelaíndice-4

 

Editora Companhia das Letras

Em 1989, o médico Drauzio Varella iniciou na antiga Casa de Detenção de São Paulo um trabalho voluntário de prevenção à aids. No Carandiru, Drauzio conviveu com personagens extraordinários, que seguiam um rígido código penal não escrito, criado pela própria população carcerária. Estação Carandiru fala da experiência de Drauzio, das pessoas que conheceu lá e das formas que elas encontraram para viver em terríveis condições. Um dos maiores fenômenos editoriais brasileiros, com mais de 460 mil exemplares vendidos e Prêmio Jabuti 2000 de Livro do Ano de Não-Ficção.

Livro disponível online neste link (clique para baixar).

 

 3. Peça indicada:

noticiaimagens_141248_img1_fotoeli_firmeza

 Cidades Invisíveis

As Cidades Invisíveis traça uma narrativa que beira a linguagem dos sonhos, com imagens misteriosas, enigmáticas, e faz uma analogia entre as “cidades” e as atrizes que formam o elenco do trabalho. Inspirada na personalidade de cada uma delas, a peça é uma trajetória por suas histórias autobiográficas.

O processo teve como ponto de partida o livro homônimo de Ítalo Calvino e caminhadas por ruas do centro histórico de Curitiba, cidade que também tem aspectos presentes na dramaturgia. A noção de “território” como identidade e de “corpo” como território delineia um discurso que transita entre as ideias de vida e morte, viagem e morada, convite e expulsão, invasão e acolhimento. Agora, o trabalho assume, em seu percurso narrativo, também sua própria trajetória de remoção do espaço, dando foco ainda às diversas nuances das subjetividades das artistas que o compõem.

Adotando o onirismo como linguagem, o roteiro desenvolve uma linha narrativa singular, diferente de montagens tradicionais. Em cena vemos relatos autobiográficos e algumas digressões que carregam nuances de comicidade, crítica, ironia e também composições dramatúrgicas e visuais que podem sensibilizar o espectador em outros níveis. Quem aceitar o convite para visitar As Cidades Invisíveis conhecerá o resultado de um processo de criação intenso que toca diferentes áreas do conhecimento, como a filosofia, a psicologia, a espiritualidade, a arquitetura, a medicina holística e, claro, a arte.

Falar de cidades de forma poética – inspirados pelo modo como Calvino o faz – é uma maneira de colocar em perspectiva e de sensibilizar para o quanto viver em sociedade significa troca entre indivíduos complexos e repletos de subjetividades. As Cidades Invisíveis chama o espectador para atos de reflexão a partir de suas memórias, a fim de que perceba a complexidade das “cidades” que crescem dentro de cada um.

Serviço

As Cidades Invisíveis
De 10 a 27 de Maio
Local: Teatro Cleon Jacques
(Rua Mateus Leme, 4700 – São Lourenço)
Sextas, Sábados, Domingos e Segundas às 20h.
Sextas e Segundas também às 10h.
Sábados e Domingos também às 16h.

Entrada Franca
* limite de 40 pessoas por sessão.

4.Livros individuais de jornalismo indicados para as turmas:

3JOAN

Prova dia 04 de junho

  1. CAMILA KRAMER DE OLIVEIRA – SILVEIRA, Joel. A milésima segunda noite da Avenida Paulista.
  2. GABRIEL MAGNO DE SOUZA RODRIGUES – GOUREVITCH, Philip. Gostaríamos de informá-lo de que amanhã seremos mortos com nossas famílias.
  3. GABRIELLYN PADILHA – MORAIS, Fernando. Olga.
  4. GABRIELA TISSI –  BRUM, Eliane. O olho da rua.
  5. INGRID VICENTE – MORAIS, Fernando. Cem quilos de ouro.
  6. JESSICA HERMES – AZEVEDO, Anna Carolina. Dinamite – uma tragédia em Curitiba.
  7. LUCAS DE MELO – CAPOTE, Truman. Os cães ladram.
  8. MATHEUS HORBUX DE LIMA – ROSS, Lilian. Filme.
  9. MAURICIO PAIVA DE OLIVEIRA  – WOLFE, Tom. Emboscada no Forte Bragg.
  10. RAFAELA DE FATIMA ARAUJO – KONIG, Mauri. Narrativas de um correspondente de rua.
  11. RICARDO MACEDO – PEARL, Daniel. Cidadão do mundo.
  12. SAMELA DOS SANTOS PROENCA – TALESE, Gay. O Reino e o Poder.

 

5JOAD

Prova dia 04 de junho

  1. AMANDA BATISTA – ROTH, Joseph. Berlim.
  2. ANNA PAULA – KAPUSCINSKI, Ryszard. O imperador.
  3. BEATRIZ JARZINSKI – HERSEY, Jon. Hiroshima.
  4. CAROLINE BISPO DE PAULA – HATZFELD, Jean. Uma temporada de facões.
  5. CAROLINI DEA – KRAKAUER, Jon. No ar rarefeito.
  6. DANIEL LIZ – MITCHEL, Joseph. O segredo de Joe Gould.
  7. FERNANDA FACCHINI – SILVEIRA, Joel. A feijoada que derrubou o governo.
  8. GABRIELA GALLIANO – THOMPSON, Hunter. Hell’s angels: medo e delírio sobre duas rodas.
  9. GIANCARLO CORBETTA – GOUREVITCH, Philip. Um caso arquivado.
  10. GIOVANNA SPEROTTO – RIBEIRO,José Hamilton. O gosto da guerra.
  11. JUAN LAMONATTO –  ANDERSON, Jon Lee. A queda de Bagdá.
  12. LETICIA MILANI – HERR, Michael. Despachos do front
  13. LETÍCIA SANTOS – GUIMARÃES, Nelci. O autismo é outra história.
  14. MARIA CAROLINA COELHO – ANDRADE, Daiane. Rememórias: a trajetória dos condenados.
  15. MATHEUS RIBEIRO – HATZFELD, Jean. Uma temporada de facões.
  16. VICTOR HUGO MANFRE – MORAIS, Fernando. A ilha.
  17. WILLIAM GONÇALVES – BRUM, Eliane. A menina quebrada.

 

Anúncios

3 respostas a Cesta Cultural

  1. Pingback: Alunos participam do projeto interdisciplinar CineClube UniBrasil | Curso de Jornalismo da UniBrasil

  2. Pingback: Cesta Cultural passa a ser projeto da Escola de Comunicação | Curso de Jornalismo do UniBrasil

  3. Pingback: Michelle Pucci discute “Mesmas Coisas” com estudantes de jornalismo | Curso de Jornalismo do UniBrasil

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s